No roteiro do Avaí em jogos fora de casa, Douglas é o protagonista perfeito

Até o mais empolgado avaiano se surpreendeu com o que o Avaí aprontou sobre o Grêmio, lá no Rio Grande do Sul. Desde que Douglas fechou o gol contra o Botafogo e Ponte Preta, não tínhamos mais dúvidas sobre a qualidade do atleta. No entanto, contra o tricolor gaúcho, ele fechou o gol e defendeu um pênalti. Não adianta secar o Leão, “esse Avaí faz coisa” meu querido.


O roteiro era o mesmo que o usado no Engenhão, só mudou elenco e palco. Os números foram parecidos ao daquele outro dois a zero. Os adversários chutaram, passaram, cruzaram e tiveram muito mais posse de bola do que o Avaí. Ao fim da partida, apenas me surpreendi com alguns detalhes.


O primeiro foi a superação do goleiro Douglas. Eu confesso que quando ví o Grêmio atacando com aquele volume, pensei que eles fariam um gol a qualquer momento. Quando o Avaí atacava, não levava perigo e acabava devolvendo a bola sem sem muita dificuldade para os adversários. Daí a estrela do Friedrich brilhou e defendeu chute de tudo quanto é jeito.


Wesley Santos/Gazeta Press
Wesley Santos/Gazeta Press

Dutra fechou a conta quase no final; Juizão ainda deu seis minutos depois dos 45


A partida estava muito parecida com aquela do Engenhão. O espírito aguerrido do time e aquele sentimento de “hoje não vai passar nada” também era muito parecido. Foi aí que o Grêmio achou um pênalti. Na hora pensei, com tom de dúvida: “quer ver esse Douglas defender?”. Não deu outra, o galego espalmou o chute (mal batido) e “virou a chave”. Era hora de o Avaí fazer um gol.


O segundo fator que me chamou a atenção foi a atuação de Alemão. Diferentemente dos dois a zero sobre o Botafogo, quando não tínhamos o zagueiro titular disponível, nossa zaga conseguiu recuperar as sobras e o Grêmio teve poucas oportunidades de “bate e rebate” dentro da área.


O último fator que ainda me deixa pensativo é como conseguimos resultados surpreendentes fora de casa e ainda não tivemos o mesmo na Ressacada. Posso dizer que encontramos a fórmula perfeita para vencer longe de Floripa. Resta aprender a jogar com a bola nos pés dentro de casa. Quinta-feira recebemos o Coxa e precisamos aproveitar a boa fase para subir mais na tabela. Faltam 33 pontos para a permanência na série A.