Derrota para o Galo não abate a esperança de um Avaí vitorioso

Enquanto curtíamos o resquício da vitória de domingo, também pensávamos em quão complicados seriam os próximos jogos. Um deles se foi nesta quarta. Enfrentamos o Atlético Mineiro de igual para igual. Eu imaginava uma postura mais defensiva, mas vi o contrário. Esse espírito de jogo é essencial para manter o torcedor confiante. Já no vestiário, aos poucos as peças vão se ajeitando. Hoje mesmo, o atacante Denilson mostrou insatisfação por estar na reserva e foi negociado com o São Paulo. Por outro lado, Vinícius Pacheco, finalmente, entrou em uma partida. Há muito a torcida vinha pedindo a entrada dele.


Vou falar um pouco sobre os principais lances que você deve ter em mente sobre essa partida.


Novamente, Juan e Marquinhos tabelaram bem e quase marcaram um gol a partir desse tipo de jogada. Lembrando que o Avaí não conseguia fazer isso antes da chegada do meia esquerda. Nos primeiros 20 minutos, dominamos a partida. A marcação alta roubava bola e criava oportunidades que foram desperdiçadas. Número relevante para demonstrar isso é a quantidade de finalizações das equipes: 13 avaianas contra 7 atleticanas.


Erwin Oliveira/Gazeta Press
Erwin Oliveira/Gazeta Press

Passamos por todos, menos por esse aí com a bola.


O ciclo teve uma interrupção com o gol do Fred. Ele subiu no mano a mano com Alemão, que não se postou bem no lance e permitiu que o atacante cabeceasse bem. Kozlinski duvidou e ficou assistindo a bola entrar. Decidiu se mexer quando ela já cruzava a linha do gol.


O desperdício de oportunidades ofensivas é um problema a ser corrigido. Estamos no caminho certo, passamos a finalizar mais vezes e com melhor pontaria. Quero relembrá-lo, amigo, que o Marquinhos desperdiçou o terceiro “cara a cara” (como dizia o saudoso Deva Pascovicci). O primeiro foi contra a Chape, na final do estadual. O Segundo foi contra o São Paulo, pela segunda rodada do Brasileirão, e o terceiro, hoje, contra o Galo. A jogada começou pela esquerda, nos pés de Capa (que novidade), que cruzou lindamente e, dentro da pequena área, Juan ajeitou e M10 chutou fraco, bem onde Victor estava.


Concluo falando sobre o tal Victor, que no finalzinho salvou o que seria o gol do empate avaiano depois de cabeceada do volante/volante Luan. Torcedor, pare de implicar com Luan. Ele tem o papel de marcação. Se ele estiver saindo para a armação é porque tem algo errado no plantel.


Parabéns, time. Hoje jogamos com raça. Domingo recebemos o Flamengo. Bora lotar a Ressacada para sufocar o Urubu. Ainda faltam 41 pontos e 33 jogos.