Maicon e Juan são respostas do Avaí para baixo orçamento e mercado escasso

Reclamamos, cobramos e a diretoria, prontamente, respondeu. Em praticamente 12 horas, o Avaí anunciou três atletas: lateral-esquerdo/meia Juan, lateral-direito Maicon e o atacante Willians.


Divulgação/Atlético Goianiense
Divulgação/Atlético Goianiense

Willians começou o ano pelo Atlético Goianiaense, mas ainda não balançou as redes em 2017


As fotos do presidente com os atletas recém-chegados foi um alívio. Na hora, comemorei como um gol, pois sei que são jogadores respeitados e têm muito a contribuir para um Leão que vai lutar pela permanência na Série A. Por outro lado, concorrência pode gerar qualidade. Com isso, nossos atletas que estão apáticos vão se despertar e correr aquele metro a mais para salvar uma jogada, trocar passes com paciência na transição ofensiva e, acima de tudo, jogar pela equipe e se mostrar essencial para o time.

Muito se fala da idade avançada dos atletas, mas vou apontar três fatos incontestáveis sobre Juan de 35 e Maicon, 36, que o torcedor avaiano deve ter em mente nesse momento.

1 - ritmo de jogo

Maicon: A última temporada regular de Maicon foi 2015/16, com a Roma. Era o fim de um ciclo de três temporadas pelo clube italiano. Desde junho de 2016 sem jogar, o lateral se uniu ao elenco do Botafogo, em abril, onde treinou e foi muito bem visto para reforçar o clube. Por fim, depois de cerca de um mês o atleta teve um possível contrato recusado. Historicamente, o jogador sofreu 17 lesões em 10 anos, deixando de jogar cerca de 30% das partidas. Falta de ritmo, 36 anos e algumas lesões podem até atrapalhar o desempenho inicial, mas não podemos negar que ele colocará medo nos adversários e seremos respeitados por isso.

Dependendo da avaliação física e da papelada da CBF, podemos ter Maicon titular no domingo, já que Leandro Silva está suspenso.

Juan: O atleta começou o ano no Goiás e já disputou 15 partidas por lá. Ele está em plena condição de participar de uma partida com a equipe principal. Ontem, quando chegou em Florianópolis, não deu entrevistas no aeroporto e foi direto assinar na Ressacada, logo ali em Carianos. Cabe ao treinador a decisão, mas ele deve se encaixar na meia para fortalecer o lado esquerdo com Capa.


Getty Images
Getty Images

Última temporada completa de Maicon foi pela Roma, em 2015/16


2 - Urgência para reforços

Maicon: Nossa melhor partida no Brasileirão, até agora, foi a estreia contra o Vitória. Depois daquele jogo, vimos um Avaí apático e pouco criativo. As soluções do banco também eram limitadas. Sem dúvida, temos urgência para reforços. O treinador Claudinei já avisou que o mercado está complicado: poucos atletas disponíveis e altos preços. Resta contratar os mais velhos por um valor aceitável, a ponto de não colocar o estádio para penhora.

Maicon é um caso de oportunidade que não poderia ser perdida. Dentro de nossa meta de permanecer na primeira divisão, um veterano e campeão de quase tudo vai ser um referencial. Esse lateral, em específico, é bastante agudo no ataque e muito intenso na defesa.

Juan: dos 28 jogos do Goiás no ano, Juan entrou apenas em 15, praticamente metade. Ele não estava sendo bem aproveitado, sabe deus os motivos. Ainda que nos anos finais da carreira, o atleta prefere o desafio de compor elenco na primeira divisão do que ser “mais um” na segunda. Tendo em vista que campeonato de pontos corridos é um enduro, o Avaí está corretíssimo em aumentar o plantel para buscar regularidade positiva e resiliência para eventuais formações alternativas.

3 - Currículos sensacionais

Maicon: Até hoje a Internazionale sente falta do lateral-direito e não conseguiu substituto do mesmo nível. O auge dele era de um padrão espetacular, o que rendeu títulos coletivos e individuais. Ainda no Brasil, pelo Cruzeiro, o atleta venceu Copa do Brasil e Brasileirão, em 2003. Pela Seleção, participou das Copas de 2010 e 14, além de ser campeão de Copa América (2004 e 2007) e Copa da Confederações (2005 e 2009). Na Europa, viveu seu auge em 2010, vencendo a Champions com a Inter. No mesmo ano, também levou o Mundial de Clubes, sobre o Mazembe. Com a Inter, venceu quatro Campeonatos Italianos e foi coroado melhor defensor da UEFA na temporada 2009/10 e, claro, compôs a seleção da Europa como melhor lateral-direito.

Juan: Mais modesto, porém respeitado. Juan teve os principais títulos da carreira pelo Flamengo, onde passou cinco temporadas. De lá pra cá, esteve no São Paulo (onde também foi revelado), Santos, Vitória, Coritiba e Goiás. Em 2016, pelo Coxa, marcou 10 gols em 46 jogos. Além de ser uma marca boa, mostra que as pernas ainda aguentam muitos minutos em campo. No currículo, Juan guarda uma Recopa Sulamericana pelo Santos, em 2012, e um Brasileiro e uma Copa do Brasil com o Flamengo. Pela Seleção, Juan foi convocado para duas partidas de Eliminatória, na “era Dunga”, em 2008.

A resposta administrativa, por ora, foi precisa. O que esperamos no domingo é a resposta do treinador, em primeiro lugar, depois, um posicionamento emocional diferente por parte dos próprios jogadores. Vamos esperar os resultados dos treinos para compreender como Claudinei pretende reformular a equipe principal.