Avai é o campeão da Taça Atlético Nacional de Medellín

Lembro da minha tristeza ao ver as atuações do Avaí na Primeira Liga. Escrevi algumas críticas, por aqui, mas esqueci que o treinador Claudinei Oliveira havia anunciado a prioridade ao Catarinense. Tanto é que jogou contra Paraná e Londrina com time misto. Durante o estadual, o time foi tomando forma e, como também contei aqui, o desenho tático "4-1-4-1" estava funcionando muito bem e nem precisava ser especialista para enxergar a formação em campo, pois tamanha era a disciplina da equipe.


Com a vitória por 3 a 0 sobre o Almirante Barroso, de Itajaí, o Avaí se tornou campeão do primeiro turno, que, em homenagem ao Atlético Nacional de Medellín por tudo o que fizeram pela Chapecoense e pelo futebol brasileiro naquele tempo de luto, têm a taça com seu nome. Nós, Nação Avaiana, devemos esse título a muitos. Definitivamente, o Leão é uma equipe em que todos são importantes.


Divulgação/Avaí F.C
Divulgação/Avaí F.C

Homenagem do Avaí feita por redes sociais do clube


Kozlinski melhora a cada jogo e se tornou titular absoluto. Capa, Betão, Alemão (improvisado) e Leandro Silva estão em plena sintonia e formam a zaga mais eficiente, tendo sofrido apenas dois gols em oito jogos. Luan e Judson têm feito papel crucial como volantes, principalmente na transição para o ataque. Sem eles, o time enfraquece significativamente.


Denilson, atacante que tem jogado pela esquerda na linha de 4 do meio campo, além de artilheiro do campeonato, ouso dizer que é o jogador mais moderno do elenco. Torcemos para que fique no clube, pelo menos, até o final do ano como rege o contrato. Diego Jardel também se supera a cada partida e, além de importantes assistências, também faz gols decisivos, como no acesso, em 2016 e na Copa do Brasil, contra a Desportiva Ferroviária.


Marquinhos é o símbolo do torcedor avaiano, em campo. Ele é daqui, fala como os que são daqui, chega na Ressacada como quem chega em casa. Basta uma bola parada e o M10 pode resolver uma partida. A saúde dele não está no auge, mas a vontade de servir a Azurra é maior que tudo. Rômulo, muitas vezes injustiçado por aquela bola que não chega ou chega "quadrada", também se doa muito pela equipe e teve a felicidade de marcar uns dos gols do título.


Do banco, o principal destaque é Júnior Dutra, que também caiu nas graças da torcida pela eficiência e "correria" dentro de campo.


Parabéns time, parabéns torcida. Vamos torcer juntos pelo título do segundo turno e, mais importante, empurrar o time na Copa do Brasil, que é um campeonato que não se admite erros, já que se perder está fora.


#SegueOLíder