Galo 4 x 0 Tupi: uma atuação inquestionável

Era Campeonato Mineiro? Era. Era um time de menor expressão? Era. Entretanto, a apresentação do Atlético contra o Tupi foi inquestionável. Com um futebol que volta a abrilhantar os olhos da torcida, o Galo fez 4 a 0 no time de Juiz de Fora e nos faz ter certeza que, contra o Godoy, a apresentação apagada foi apenas uma exceção.


Enfrentando o galo carijó, o que o Galo (original) fez foi maldade. Depois de um tempo aprisionado e substituído pelo irmão gêmeo baladeiro, Cazares foi solto e voltou a campo como titular, fazendo o que quisesse. Se destacou ao roubar bolas, distribuir passes e honrar o número 10 que ostenta nas costas. Talvez a não convocação pela seleção equatoriana tenha feito mais bem do que mal ao menino, um dos maiores destaques da partida. Até mesmo Felipe Santana, que, em uma espécie de Sansão invertido, raspou a cabeça e fez uma partida firme, algo bem diferente das atuações anteriores.



Bruno Cantini/Divulgação CAM
Bruno Cantini/Divulgação CAM

A alegria de um time que tem tudo para engrenar


Robinho, ainda recuperando a forma depois da lesão sofrida na Seleção, mostrou o gingado que o faz ser chamado de "Rei das Pedaladas". Pintou, bordou, sambou e fez gol, deixando os adversários atordoados. Só não foi o responsável por abrir o placar porque o Tupi quis fazer as honras da casa e colocou a bola dentro da própria rede, quando Otero se preparava para finalizar.

Até mesmo Gabriel, que tem sido um dos destaques da até então curta temporada, fez o seu. Se o problema for zagueiro, o Atlético tem sido uma máquina de produção a todo vapor de pequenos monstrinhos.


Para finalizar a noite e retirar o mau agouro que ainda restava, Elias chutou a bola, afundando qualquer dúvida que ainda restava sobre o volante. Um gol para lavar a alma do camisa 8 e do Atlético, dando a confiança necessária para a sequência da temporada.


Se a quarta-feira nos decepcionou, a segunda foi uma dose de ânimo para uma torcida ansiosa. Com a exceção sendo a partida contra o Godoy Cruz, o Galo volta a estufar o peito e a Massa volta a ter fé. Nossa utopia começa a se materializar.


Rodney Costa/Gazeta Press
Rodney Costa/Gazeta Press

Palmas, Galo! É esse o futebol que você tem