Chegou o reencontro entre Galo, Levir e Donizete

Há 5 jogos sem perder partidas no Campeonato Brasileiro, mas desperdiçando pontos bobos e, por isso, na parte mediana da tabela, é hora do Galo enfrentar o Santos e duas das figuras mais queridas do atleticano em geral: o técnico Levir Culpi e o volante Leandro Donizete, ambos com passagens inesquecíveis pela Cidade do Galo. O jogo acontece nesta quarta-feira, em BH, e Donizete aparece na provavel lista de titulares do adversário.


Bruno Cantini/ Atlético
Bruno Cantini/ Atlético


Não será a primeira vez que teremos o curitibano-mineiro-japonês Levir Culpi no vestiário adversário. Desde a sua primeira passagem pelo Galo em 1994, ele foi e voltou diversas vezes e nos enfrentou na mesma quantidade. Da última vez, o técnico campeão da Copa do Brasil de 2014 pelo Atlético nos venceu por 4 a 2 quando ainda dirigia o Fluminense. Assim como o Galo, Levir também não se firmou desde que saiu de Minas e, agora, vem à frente de outra equipe, o Santos.


Há quem sustente que Levir jamais deveria ter deixado o comando alvinegro em 2015, quando conseguiu levar o time ao vice-campeonato do Brasileirão, seu último trabalho digno de boa nota e o último ano no qual o Atlético conseguiu brigar com certa chance de levar o título nacional de volta pra casa. Já há quem defenda que sua figura estava desgastada com a direção atleticana e, por isso, mesmo com a performance daquele ano, não quiseram renovar.


Bruno Cantini/ Atlético
Bruno Cantini/ Atlético


Dolorosamente, essa será a primeira partida do General Donizete à frente de outro exército, desde que aportou no Galo em 2012. Uma experiência que tem tudo para ser doída para a torcida, que tanto se identifica com a raça e liderança do volante, e mais doída ainda para seus ex-companheiros de clube. Jogando a favor, é uma coisa. Agora, vá lá enfrentar a ponta da chuteira do campeão da Libertadores, Recopa, Copa do Brasil e alguns regionais pelo Galo pra você ver?!


Donizete teve uma proposta de renovação da diretoria atleticana ao final de 2016 que não lhe apeteceu. Preferiu o projeto santista e o contrato de 3 anos com o time de São Paulo. Foi mudar de ares e tem encontrado enorme dificuldade de firmar-se na titularidade, com grande questionamento da torcida do alvinegro praiano. Sua vaga, no Galo, tem sido preenchida por jogadores mais técnicos, que primam pelo toque de bola e ocupação dos espaços, ao invés da virilidade, do choque. Cá entre nós, o estilo do General casava melhor com o nosso, hein?


O futebol imita a arte e já diria Milton Nascimento: ‘qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar’. É hora de encontrar esses dois por quem queremos bem e, exatamente por isso, por conhecermos seus corações atleticanos, sabemos que ficarão felizes com a vitória do Galo.


Bruno Cantini/ Atlético
Bruno Cantini/ Atlético

Amigo é coisa pra se guardar...