Cazares: nasce um novo maestro atleticano?

Getty
Getty

O mito, a lenda, o bruxo


A América jamais foi a mesma depois que um certo camisa 10, dado à boemia e aos demais prazeres da vida, domou o continente com a camisa atleticana, jogando por música e fazendo história. Ah, Libertadores de 2013 inesquecível. Ah, Ronaldinho Gaúcho…


O Galo aprendeu a ser regido por um camisa 10. Até a chegada do Bruxo, em 2012, a safra de regentes envergando o número eternizado por Pelé podia ser contada nos dedos. Éramos virtuosos nos solistas da camisa 9. De bate pronto: Dadá, Reinaldo, Guilherme, Tardelli, Fred… Para cada cinco grande atacantes na história alvinegra, um camisa 10.


Eis que surge uma nova promessa de maestro querendo assumir a batuta do time alvinegro. Cazares, que partida lapidar na noite desta terça-feira, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores de 2017! Diante dos argentinos do Godoy Cruz, que até ali eram líderes do grupo 6, o equatoriano fez gol de cobertura e de falta, deu assistência e foi o responsável direto pelo 4 a 1 que colocou o Galo no topo da tabela.


E não foi apenas hoje! Nos útimos jogos, pela primeira rodada do Brasileirão e na final do Campeonato Mineiro, Cazares já vem mostrando um futebol digno de todos os elogios. Será que estamos prestes a ver um novo camisa 10 atleticano encantando a América?


Qualidade? O menino tem de sobra, com momentos de extrema inspiração. Festa? É com ele mesmo! Acho que é até capaz de superar o mestre neste quesito. Se Cazares estiver definitivamente comprometido com sua carreira e com o Galo, poderá experimentar a mesma alegria vivida pelo gênio que um dia vestiu essa mesma 10. A Massa agradecerá.


Bruno Cantini/ Atlético
Bruno Cantini/ Atlético

Um camisa 10 inspirado regendo o time