Atlético de Madrid eliminado: ainda é possível salvar a temporada?

Cantei a bola lá no final de agosto: o Atlético de Madrid corria sério risco de eliminação. Seria o grupo mais difícil que a equipe de Diego Simeone teria pela frente na UEFA Champions League nos últimos cinco anos. Não havia precedentes recentes. 


Bem, dito e feito. Agora é oficial. Hora de chorar o leite derramado. Sete pontos em seis jogos. Apenas uma vitória. Dois tropeços indesculpáveis contra o café-com-leite da chave, o Qarabag, do Azerbaijão. O Atlético até reagiu. Nas duas últimas rodadas, amassou a Roma e complicou a vida do Chelsea, que perdeu o primeiro lugar da chave. Mas foi em vão. No final das contas, Roma em primeiro lugar, Chelsea em segundo. Eliminação na primeira fase justamente na temporada de estreia do novo estádio, o Wanda Metropolitano.


Divulgação/Atlético de Madrid
Divulgação/Atlético de Madrid

O goleiro Jan Oblak foi um dos grandes destaques do Atlético de Madrid em Stamford Bridge


Águas passadas. De agora em diante, a pergunta que fica é: como conduzir o restante da temporada?


Bem, a bolinha com o nome do Atlético de Madrid estará presente no primeiro pote do sorteio do mata-mata da Liga Europa, na próxima segunda-feira. A principal questão agora será como lidar com essa competição. Não acredito que o Atlético irá levá-la com toda a seriedade do mundo. Mas também não creio que vá desprezá-la.


Por mais que o nível técnico de exigência seja menor, chegar à final da Liga Europa exige oito jogos de mata-mata. Na Champions, chega-se à decisão com apenas seis. Ou seja, a LE ocupa duas datas a mais do que a UCL no calendário apertado do final de temporada - ainda mais sendo temporada que antecede Copa do Mundo. Menos descanso. Somado a isso, está o fato de que o Atlético já tem dois troféus (2010 e 2012) da Liga Europa, um delas inclusive com Diego Simeone. O sabor não seria nada inédito, mas a possibilidade do tricampeonato é tão tentadora quanto possível.  


No Campeonato Espanhol, por sua vez, a situação poderia estar muito melhor (não fossem os seis empates em 14 jogos), mas também poderia estar bem pior, já que o time sobreviveu a mais de um terço do torneio sem nenhuma derrota. Na rodada do último final de semana, Barcelona e Real Madrid empataram. Já o Valencia perdeu. Dos 4 primeiros colocados, o único que somou três pontos foi o Atlético, que ainda vem de uma sequência de duas vitórias seguidas.


Há duas semanas, a distância para o Barcelona era de 10 pontos. Hoje, é de apenas seis. Concentrar todos os esforços na Liga das Estrelas é uma opção, mas a chance de faturar a Liga das Estrelas passa muito por uma desempenho irrepreensível até maio. Calculo algo em torno de 20 vitórias nos 24 jogos que faltam.


A Copa do Rei, por fim, parece ser a tentativa mais plausível de título. O sorteio ocorrido na última terça-feira colocou o modesto Lleida Esportiu, da Catalunha, no caminho dos colchoneros. A equipe da terceira divisão espanhola despachou nada menos do que a Real Sociedad na última fase. Merece cuidado. Mas a coisa deve apertar mesmo a partir das quartas-de-final, quando o torneio se afunila. 


E lembrem-se: o time do Atlético de Madrid ainda sofrerá mudanças para a segunda metade da temporada. Como a punição da FIFA termina daqui um mês, Diego Costa e Vitolo estarão disponíveis em janeiro. As duas chegadas oferecerão muito mais poder ofensivo e variações táticas a Simeone, embora quebre o entrosamento e funcionamento ofensivo existente neste momento. 


E você, acha que o Atlético de Madrid tem chance de salvar a temporada?