De Filipe Luís a Vitolo, como o Atlético de Madrid enfraquece rivais espanhois

Muito se critica que a hegemonia do Bayern de Munique, pentacampeão alemão, foi construída através de um modelo de contratações que enfraquece seus principais adversários da Bundesliga. Foi assim com o goleiro Manuel Neuer (ex-Schalke 04) e também com o atacante Robert Lewandowski (ex-Borussia Dortmund). Nesta janela de verão, a situação se repetiu com as chegadas de Niklas Süle e Sebastian Rudy, destaques do Hoffenheim, além do vice-campeão olímpico Serge Gnabry, um dos principais jogadores do Werder Bremen na última temporada.


Na Itália, o argumento é o mesmo para explicar o histórico hexacampeonato da Juventus. Gonzalo Higuaín (ex-Napoli), Miralem Pjanic (ex-Roma) e Pablo Dybala (ex-Palermo) são alguns exemplos.


Na Espanha, a situação fica de certa forma mascarada, já que não tem havido um domínio isolado nas últimas temporadas. Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid alternaram-se como campeões entre 2014 e 2017. De qualquer forma, o sucesso recente restringe-se somente às três equipes. Desde 2012, nenhuma equipe fora deste eixo acaba entre os três primeiros colocados da Liga das Estrelas.


E uma das causas disto pode ser atribuída, assim como na Alemanha e na Itália, ao estilo predatório de reforçar-se desfalcando as equipes médias e pequenas da Espanha.


Em termos de quantidade de jogadores, o Atlético de Madrid é o time do Campeonato Espanhol que mais exerce esta prática, levando em conta as janelas de transferência de julho de 2010 em diante. Confira abaixo o levantamento feito pelo Canto Colchonero


Atlético de Madrid:
Diego Costa (atacante) - Valladolid - 1 milhão de euros - 2010
Filipe Luís* (lateral-esquerdo)- Dep. La Coruña - 12 milhões de euros - 2010
Diego Godín* (zagueiro) - Villarreal - 8 milhões de euros - 2010
Juanfran* (lateral-direito) - Osasuna - 4,25 milhões de euros - 2010
Mario Suárez (volante) - Mallorca - 1,8 milhões de euros - 2011
Gabi* (volante) - Zaragoza - 3 milhões de euros - 2011
Daniel "Cata" Diaz (zagueiro) - Getafe - 1 milhão de euros - 2012
Leo Baptistão (atacante) - Rayo Vallecano - 7 milhões de euros - 2013
Miguel Angel Moyá (goleiro) - Getafe - 3 milhões de euros - 2014
Jesus Gámez (lateral-direito) - Málaga - 2,5 milhões de euros - 2014
Guilherme Siqueira (lateral-esquerdo) - Granada - 10 milhões de euros - 2014
Antoine Griezmann* (atacante) - Real Sociedad - 30 milhões de euros - 2014
Luciano Vietto (atacante) - Villarreal - 20 milhões de euros - 2015
Augusto Fernández (volante) - Celta de Vigo - 4 milhões de euros - 2016
Kevin Gameiro (atacante)* - Sevilla - 32 milhões de euros - 2016
Vitolo (atacante) - Sevilla - 36 milhões de euros - 2017 


Total: 16 jogadores - 175,55 milhões de euros


* Jogadores titulares do Atlético de Madrid de Diego Simeone. 


Recém-contratado pelo Atlético de Madrid em meio a uma artimanha digna de circo, Vitolo tornou-se o jogador mais caro do mercado interno do Atlético de Madrid nesta década. 


Divulgação/Atlético de Madrid
Divulgação/Atlético de Madrid

Vitolo acertou transferência para o Atlético de Madrid, mas até janeiro de 2018 jogará emprestado no Las Palmas


Em termos financeiros, o Atlético de Madrid só aparece atrás do Barcelona em contratações de reforços de dentro da Espanha. Veja: 


Barcelona:
David Villa (atacante) - Valencia - 40 milhões de euros - 2010
Adriano (lateral-esquerdo) - Sevilla - 9,5 milhões de euros - 2010
Jordi Alba (lateral-esquerdo) - Valencia - 14 milhões de euros - 2012
Jeremy Mathieu (zagueiro) - Valencia - 20 milhões de euros - 2014
Ivan Rakitic (meia) - Sevilla - 18 milhões de euros - 2014
Claudio Bravo (goleiro) - Real Sociedad - 12 milhões de euros - 2014
Arda Turan (meia) - Atlético de Madrid - 34 milhões de euros - 2015
Aleix Vidal (lateral-direito) - Sevilla - 17 milhões de euros - 2015
André Gomes (volante) - Valencia - 35 milhões de euros - 2016
Paco Alcácer (atacante) - Valencia - 30 milhões de euros - 2016
Denis Suarez (meia-atacante) - Villarreal - 3,25 milhões de euros - 2016


Total: 11 jogadores – 232,75 milhões de euros


De 2010 pra cá, o Atlético de Madrid aparece a frente até mesmo de seu poderoso rival Real Madrid quando assunto é gasto com transferências internas.


Real Madrid:
Pedro León (atacante) - Getafe - 10 milhões de euros - 2010
Sergio Canales (meia) - Racing Santander - 6 milhões de euros - 2010
José Callejón (atacante) - Espanyol - 5 milhões de euros - 2011
Diego López (goleiro) - Espanyol - 3,5 milhões de euros - 2012
Asier Illaramendi (volante) - Real Sociedad - 32 milhões de euros - 2013
Isco (meia) - Málaga - 30 milhões de euros - 2013
Keylor Navas (goleiro) - Levante - 10 milhões de euros - 2014
Lucas Vázquez (meia) - Espanyol - 1 milhão de euros - 2015
Kiko Casilla (goleiro) - Espanyol - 6 milhões de euros - 2015
Dani Ceballos (meia) - Betis - 17 milhões de euros - 2017
Theo Hernández (lateral-esquerdo) - Alavés (Atlético de Madrid) - 30 milhões de euros - 2017


Total: 11 jogadores - 150,5 milhões de euros