Atlético de Madrid restabelece a ordem na Liga das Estrelas

Na noite do último dia 2 de março, o Atlético de Madrid visitava o estádio Riazor, na Galícia, ameaçado de deixar a zona de classificação para a UEFA Champions League. Alguns minutos mais tarde, o Sevilla teria compromisso no Ramón Sánchez Pizjuán para continuar vivo na briga pelo título espanhol.


Mesmo favorito no duelo, o Atleti não passou de um empate com o Deportivo La Coruña. O Sevilla, por outro lado, fez valer o mando de campo e somou três pontos em um teste duro contra o Athletic Bilbao.


Antes destes dois confrontos, a diferença do Sevilla, terceiro, para o Atlético, quarto, era de 7 pontos. Pois naquela noite ela subiu para 9 pontos, faltando 13 jogos para o final do campeonato. 


Depois desta sequência de eventos, a sensação era clara: a terceira colocação não passava de um sonho, uma busca em vão para o Atlético. Ledo engano! 


Eis que exatamente um mês depois, o esquadrão de Diego Simeone aparece a frente da equipe de Jorge Sampaoli na tabela de classificação, em uma reviravolta extraordinária alcançada em tão curto tempo. 


Nesse meio do caminho, é verdade, o Sevilla se enfraqueceu demais. O mês de março foi muito cruel para a equipe andaluz. Adeus à Champions League, tropeços indesculpáveis diante dos fraquíssimos Leganés e Sporting Gijón, além da derrota acachapante no confronto direto com o Atlético de Madrid. Arredodando, 4 jogos somando apenas 3 pontos, um desempenho risível perto do que fez a equipe colchonera, com 100% de aproveitamento neste recorte do campeonato. 


É sem dúvida a pior fase do Sevilla na Liga das Estrelas, justamente no momento em que necessitava demonstrar fôlego para não jogar na lata do lixo todo o esforço e êxito dos dois primeiros terços da temporada. 


A epopeia do Sevilla enfim parece ter chegado ao fim. A briga pelo título ficou restrita aos dois gigantes, com o Atlético correndo por fora. Já viu esse filme antes? Sim, a ordem natural dos últimos 5 anos do Campeonato Espanhol foi reestabelecida. E parte disso se deve a Filipe Luís. 


No último sábado, o destaque da vitória do Atlético de Madrid sobre o Málaga foi o lateral-esquerdo brasileiro, que voltou da seleção a todo vapor depois da classificação assegurada para a Copa do Mundo de 2018.


Quarto maior assistente do Atlético no campeonato, Filipe Luís emplacou seu segundo gol na temporada – o primeiro, inclusive, havia sido na goleada do Brasil por 5 a 0 sobre a Bolívia, em outubro do ano passado, no Estádio das Dunas, em Natal.


Getty Images
Getty Images

Filipe Luís foi um dos principais nomes do Atlético na grande vitória no estádio de La Rosaleda