Athletic, o time mais bipolar da Liga Espanhola

A eliminação para o Barcelona na Copa do Rei me incomodou muito. Embora o resultado fosse o mais provável, ver o Athletic sem Muniain e Aduriz no time inicial deixou a sensação de que algo maior poderia ter sido conquistado. Essa mesma sensação é vista ao fim da fase de grupos da Liga Europa e principalmente no primeiro turno em La Liga. Com resultados tão diversos, a bipolaridade e inconstância dos Leones podem colocar em risco um bom resultado na temporada atual.


Se alguém dissesse na pré-temporada que o Athletic terminaria o primeiro turno com duas derrotas de apenas um gol de diferença para Real Madrid e Barcelona, mas conquistado vitórias sobre Villarreal, Sevilla, Real Sociedad e Celta, eu imaginaria que o time estaria na zona de classificação a Champions. Concluída a 19ª rodada, os Leones estão na sétima posição.


Divulgação Athletic Club
Divulgação Athletic Club

Iker Muniain foi essencial no jogo-chave contra o Atlético de Madrid


A vontade, a entrega em campo contra o Atlético de Madrid no empate justo da última rodada até então mostra que o Athletic tem time, tem qualidade. Essa mesma vontade foi notada em jogos importantes, dando orgulho ao torcedor rojiblanco. O problema tem sido a inconstância, a incrível capacidade de obter bons resultados, mas também acabar perdendo para o Sporting Gijón, Málaga, Las Palmas e Real Bétis. Empates sonolentos com Osasuna, Espanyol, Alavés e Leganés completam a lista de resultados decepcionantes.


Jornais espanhóis apontam que Ernesto Valverde, em sua sexta temporada pelo Athletic, conseguiu seu segundo melhor primeiro turno. Se a comparação com o histórico pessoal pode ser positivo, há de se lembrar que não é admissível tamanha oscilação de um elenco cada vez mais experiente, entrosado e que não sofreu desfalques na virada da temporada passada.


Divulgação Athletic Club
Divulgação Athletic Club

Com Aduriz, Raúl García é tido como decisivo para a segunda metade de La Liga


É no mínimo curioso o rendimento dos Leones em jogos de menos importância. Se o rodízio de atletas é parte do critério do treinador Ernesto Valverde, como é possível ver jogos com tanto desânimo por parte dos atletas nesses jogos mais fáceis? Talvez fosse o caso de colocar até mais jogadores reservas para que esses possam ter chance de mostrar valor ou pelo menos cobrar com mais afinco a garantia de pontos fáceis e cruciais para uma classificação europeia.


Se de fato estar em sétimo é algo até compreensível, seja por questão de orçamento ou restrição de elenco, a cobrança por um rendimento positivo na Liga Europa cresce com o perfil apresentado até então. O histórico recente mostra um time que cresce principalmente em jogos importantes e em casa, ou seja, justo como são as partidas de mata-mata. Ainda assim, a garantia de disputa desse mesmo torneio depende da classificação em La Liga, onde a bipolaridade vem custando caro.


Independentemente de quem vai para o campo, que vá sempre com raça! Aupa Athletic!


@JorgeKadowaki
Siga-nos no Facebook!