Ozil e Sánchez são oásis de bom futebol no Arsenal

Getty
Getty

Talentosa dupla não deve renovar contrato com os Gunners


O assunto é repetitivo, é óbvio. O jogo de segunda-feira, porém, foi mais uma mostra de que Ozil e Sánchez são exceções em meio á desorganização que é o Arsenal nesta temporada. Com um gol de cada, a equipe bateu o Middlesbrough por 2 a 1.


Porém, não são só os lances desta segunda. Praticamente tudo que sai de interessante no quesito de criação ofensiva vem dos pés do chileno e/ou do alemão, que são líderes em participação em gols da equipe na Premier League e se procuram a todo momento em campo, sabendo que têm mais talento que os demais companheiros.


Para se fazer justiça, Sánchez está um passo à frente. O chileno tem participação em 28 gols da equipe no Inglês, sendo 19 bolas nas redes e nove assistências. Além disso, o atacante corre igual um louco, divide e participa das ações ofensivas e defensivas. Seus chiliques diante de um time preguiçoso e sem ambição são mais que justificados.


Ozil, por sua vez, não faz grande temporada. Longe disso. Mesmo assim, tem 13 participações em gols na Premier League, sendo sete bolas nas redes e seis passes decisivos. Seu estilo blasé e a falta de uma participação maior nos 90 minutos irritam a torcida, principalmente quando os resultados não vêm. Contudo, seu talento é inegável, e, como já falamos aqui, ninguém é eleito cinco vezes o maior jogador da Alemanha à toa.


O provável é que ambos decidam por não renovar o contrato, que termina em 2018, e deixem a equipe já para a próxima temporada. O orgulho fará a maior parte dos torcedores dizerem “que vão, não precisamos deles, o clube é maior que qualquer um e blá blá blá”.


Atualmente, precisamos e muito de Ozil e Sánchez. Mais do que a raiva com jogadores que querem brigar por título, o clube deveria valorizá-los e fazer um time, preparado taticamente, tecnicamente e psicologicamente, em volta destes dois talentos.