O dia em que o Arsenal ‘sacudiu’ a Inglaterra e contratou Sol Campbell

Getty Images
Getty Images

Reunião na madrugada e um golpe no rival: quando ninguém esperava, Campbell foi anunciado pelo Arsenal


3 de julho de 2001. Não era um dos dias mais especiais no centro de treinamento do Arsenal, em London Colney. Para os jornalistas, a pauta seria a nova contratação do time: o goleiro Richard Wright, recém-chegado do Ipswich Town, por £2 milhões. Seria sua primeira entrevista coletiva como atleta do clube. No entanto, algo muito inesperado aconteceu.

"Havia apenas duas pessoas da imprensa aqui. Nunca esquecerei os rostos deles quando Sol entrou. 'Sol Campbell do Tottenham', eles não podiam acreditar!”, relembra Wenger ao site do clube.

Quem cumpriu a função de setorista e foi à coletiva presenciou um momento que sacudiu a Inglaterra. Sem alarde algum, Sol Campbell era o novo reforço do Arsenal. Vindo do Tottenham. De graça. O mesmo já havia, inclusive, declarado à revista Spurs Monthly que nunca jogaria pelos gunners.

Vamos rebobinar para entender como tudo aconteceu.

Ao final da temporada 2000/01, o contrato de Campbell com os Spurs expirou. O clube lhe ofereceu uma renovação e um aumento salarial que faria dele o jogador mais bem pago do elenco. Mas a novela se estendeu bastante, até que o atleta anunciou que precisava sair, pois queria jogar a Champions League. O então técnico da seleção inglesa, Sven-Göran Eriksson, teria o aconselhado a tomar tal decisão.


Começava, então, a corrida para contar com o zagueiro, que tinha feito uma boa temporada e aos 26 anos estava em plena forma física e técnica. Os grandes clubes da Europa o desejavam, como o Barcelona e a Internazionale, mas o que ninguém esperava aconteceu. Para fúria extrema dos torcedores do Tottenham, Sol foi anunciado pelo Arsenal.


Para Pedro Reinert, do One Hotspur, foi "algo surreal e inimaginável".


"Até hoje a ficha de muitos não caiu. Campbell era prata da casa, pilar do time, recém condecorado com a Copa da Liga e xodó da torcida. E não bastasse ter ido jogar no grande rival, ainda o fez recusando outros gigantes europeus e de uma forma que o Arsenal não tivesse que deixar um centavo nos cofres dos Spurs", lamenta. 

Nas palavras de Wenger, "ele definitivamente sabia, antes mesmo da última semana [do contrato] que ele estava assinando com a gente. Pelo menos, antes disso, ele prometeu assinar conosco”, declarou, nesta segunda-feira (3), em matéria especial sobre 16 anos da contratação.

Os detalhes da negociação

Quase uma década de clube. Mais de 300 jogos. Seria difícil convencer o atleta a escolher trocar seu time pelo maior rival. Certamente sofreria represálias, e esse foi o único fator que o zagueiro colocou na listinha de ‘contras’ caso escolhesse o Arsenal. Talvez fosse melhor ir para a Espanha e não se preocupar em ouvir sua mãe ser insultada? Talvez, mas ele queria ouvir o que tínhamos a lhe oferecer.


Reprodução
Reprodução

Manchete do Evening Standard: Sol Campbell é do Arsenal


Por isso, solicitou que seu agente, Sky Andrew, marcasse uma reunião com representantes dos gunners. Então, às 23h do dia 2 de julho, lá estavam os dois na casa do vice-presidente do clube, David Dein. Arsène Wenger também participou da conversa.

Depois de muito papo, às 3h da manhã, eles saíram de lá com tudo acertado: Sol se mudaria para o Highbury. Contrato de quatro anos e um salário de £5 milhões por temporada. De acordo com detalhes de uma reportagem feita pelo The Guardian, a decisão foi tomada por volta da meia noite, quando Wenger já tinha ido embora.


Algumas horas depois, lá estava Sol Campbell, pronto para dar sua primeira entrevista como atleta do Arsenal. Abaixo, algumas declarações do zagueiro aos poucos jornalistas que estavam presentes naquele fatídico 3 de julho de 2001.




"O Arsenal é um clube fantástico. Minha decisão foi totalmente baseada no futebol. Esta é uma ótima equipe, um ótimo técnico e excelentes jogadores. A filosofia está voltada para ganhar e eu quero estar aqui. Havia uma série de clubes e muitos fatores que eu tinha que enfrentar. Por isso, demorou tanto tempo”, declarou.

“No final, foi esmagadora a vontade de vir para o Arsenal. Tudo foi um pouco agitado, mas eu só quero jogar futebol. Espero que todos agora respeitem minha decisão".

"Esta foi uma grande decisão. Passei muitos anos no Tottenham. Enquanto eu estive lá, joguei com o meu coração, sempre joguei e treinei com o melhor da minha capacidade. Eu tentei mudar o time na direção certa, mas chega o momento em que você deve reconsiderar. Eu fiz tudo certo. Meu contrato acabou. Eu sou um jogador livre. Tenho mantido minha cabeça no lugar. Me mantive forte. Eu sou ambicioso e quero jogar em um grande palco. Sonho em jogar em um nível superior e é por isso que estou aqui", finalizou.




E jogou, Sol. Você é parte da família.