América-MG não pode tomar dois gols dessa maneira

O jogo diante do CRB, em Maceió, caminhava tranquilo. Parecia até com a partida do ABC, em que o América só atacava na boa, enquanto o adversário, tenso, arriscava e errava muito mais. Não estava difícil levar o empate sem gols para o intervalo e manter a estratégia no segundo tempo, explorando o nervosismo do CRB, que vinha de duas derrotas e sete gols sofridos.


Porém, bastaram dois grandes descuidos em menos de um minuto para o planejamento ir por água abaixo. O Coelhão jogava bem, sem dar chances ao CRB, mas não ocupou bem os espaços nos dois gols em sequência do adversário.


No primeiro, Ernandes demorou a voltar do ataque e deveria ter dado combate ao lateral-esquerdo, que estava livre. Faltou comunicação com Gérson Magrão, que ficou sem saber se ia até o lateral ou marcava o meia. Acabou não tirando o espaço de ninguém.


Giovanni nada poderia fazer, pois se fosse em cima do lateral e deixasse espaço atrás de si, um adversário já estava correndo para ocupá-lo e criar um lance ainda mais perigoso. Diante disso, o lateral do CRB teve todo o tempo do mundo para olhar a área e cruzar na cabeça do companheiro. Era uma finalização difícil, muitas vão para fora. Para azar do América, não foi.


MOURÃO PANDA/Gazeta Press
MOURÃO PANDA/Gazeta Press

Ernandes finalizou muito bem, precisava acertar um chutes desses

No segundo gol, Mike chegou um pouco atrasado, mas ainda dava para recuperar. Bastaria ter se posicionado mais atrás, entre Juninho e Zé Ricardo, de frente para o lance, dando cobertura a ambos. Porém, ele foi em cima do adversário que Juninho marcava e, numa tabela, o jogador tocou e recebeu à frente, entrando livre na área.


É evidente que João Ricardo também errou no lance. Uma bola junto à linha de fundo não pode passar pelo goleiro, ele deitou sem qualquer necessidade. Claro, o bom toque de bola do CRB no segundo gol é mérito do adversário também.


Houve a impressão de que o América ficou irritado de ter levado o primeiro gol. Tudo bem, ninguém gosta, mas isso não pode influenciar na pegada do time. A reação dos jogadores precisa ser rápida, até porque o time está na liderança e tem força para buscar qualquer resultado.


Prova disso foi o gol de Ernandes logo aos cinco minutos da etapa final, que colocou o América de novo na partida. Aliás, que bela finalização do nosso volante, se redimindo dos erros ofensivos em jogos passados. Ressalte-se também o ótimo passe de primeira de Magrão.


Os erros de Enderson


Magrão não foi bem de novo, mas a assistência poderia colocá-lo de novo na partida. Só que Enderson Moreira resolveu tirá-lo em favor de Hugo Cabral (será que estava cansado?), que só funciona no contra-ataque, quando tem mais espaço para driblar. O América deveria ter feito a bola rodar no meio-campo com calma.


Mike também não foi bem. Ainda não merecia ser titular, pois só havia tido poucos minutos como reserva, sem ser avaliado em jogo completo. Ao contrário do ímpeto ofensivo de Enderson, talvez fosse melhor escalar três volantes (com Willian, não David).


Os erros da arbitragem


O bandeirinha Fábio Faustino dos Santos deveria agradecer a Deus, pois deu muita sorte na partida. Ele errou em dois lances de impedimento, um em cada tempo. No primeiro, viu Matheusinho adiantado sabe-se lá como, mas ele acertou o travessão. E se tivesse sido gol? Na etapa final, o jogador do CRB estava claramente impedido, mas ele não viu e João Ricardo o salvou com uma bela defesa à queima-roupa.


Numa outra jogada, ele já não teve sorte. De frente para o lance, não marcou pênalti para o Coelhão logo aos dez minutos. Que eu saiba, no futebol não se pode abraçar o adversário, pois limita seu movimento. Quanto mais agarrar dando-lhe uma gravata, mas foi isso que Adalberto fez com Bill, como mostra o vídeo abaixo.


Na sequência, Rodrigo Souza tenta um rodopio de balé, mas como não tem habilidade para tal, se esborracha no chão. Não há toque de Bill, mas o árbitro mesmo assim viu e deu falta do atacante americano. Que vacilo do capixaba Felipe Duarte Varejão! Curioso o fato de o bandeirinha ter errado apenas para um lado, não é mesmo?



Zé Carlos, o peladeiro


Todo mundo sabe que Zé Carlos é o famoso peladeiro provocador, ele já fez isso em outras oportunidades, é reincidente. Por isso há muito tempo já não joga futebol e só consegue defender times como o CRB. Entrou só para arrumar confusão, mas conseguiu porque Bill perdeu a cabeça. Imagina-se o que Zé Carlos tenha falado para nosso atacante. O problema é que Zé Carlos é nada para o CRB, ao contrário de Bill, que é muito importante para o América. Que sirva de lição, ele não pode cair em provocação de peladeiro.


Apesar de uma noite infeliz, o América precisa se recuperar rápido. A boa campanha continua, a superação se mantém necessária, assim como a vontade de vencer. Por isso o torcedor americano tem que marcar compromisso na agenda: sexta-feira, 11 de agosto, às 21h30, no NOSSO ESTÁDIO Independência.