Pará e Lima servem de exemplo para os atuais reservas do América-MG

O 1º turno da Série B está se aproximando do fim e o Coelhão vai fazendo ótima campanha. A liderança é resultado não só de um time compacto na defesa, mas de um ataque que pressiona e quebra o passe do adversário. O entrosamento está muito bom, cada um sabe onde o outro está, todos têm consciência de como se posicionar em campo.


Para alcançar esse nível, é claro que o técnico Enderson Moreira teve de fazer escolhas e dar preferência a este ou aquele atleta, para que o time fosse ganhando forma a cada rodada a fim de render melhor nas partidas.


Até aqui (18ª rodada), dois jogadores do América participaram de todas as partidas: João Ricardo e Messias, justamente os principais responsáveis pela defesa menos vazada ao lado de Rafael Lima, que tem 17, assim como Ernandes. A seguir aparecem Bill e Luan (16), Zé Ricardo (15), Hugo Cabral (14), Ruy (12), Renan Oliveira e Matheusinho (11), Norberto e Gérson Magrão (10) e assim por diante.


A essa altura da temporada, os jogadores e a torcida já sabem quem é titular e quem é reserva. O que não significa que quem entra durante as partidas não mereça começar jogando. Evidente que todo mundo deseja jogar e ajudar o América na Série B, mas escolhas precisam ser feitas. Porém, o time titular nunca está fechado, Enderson Moreira sabe bem disso.


Quem hoje não tem tantas oportunidades pode ter uma chance. E precisa aproveitá-la.


Os exemplos


Divulgação/América Mineiro
Divulgação/América Mineiro

Lima precisou ter muita paciência na reserva


Os reservas de momento devem se espelhar na trajetória de dois jogadores.


O lateral Pará começou muito mal no América, foi criticado por todos os lados, inclusive neste blog. Estava merecendo ser devolvido ao clube de origem. Enderson Moreira deu-lhe um descanso e voltou a utilizá-lo na 9ª rodada, diante do Santa Cruz.


A partir daí, Pará se recuperou, foi titular absoluto e até fez gol. Pena que a lesão o terá afastado por um mês, mas Pará mostrou que se pode dar a volta por cima. Depende do jogador, pois a oportunidade uma hora vai aparecer.


Essa é a situação atual do zagueiro Lima, 32 anos, que só estreou pelo Coelhão na última partida, contra o Londrina, simplesmente porque Rafael Lima e Messias tomaram conta da defesa desde o início da temporada, não sobrando espaço para os outros.


Porém, a tal oportunidade apareceu...


Com a suspensão de Rafael Lima pelo terceiro cartão amarelo, Lima foi a opção de Enderson Moreira para enfrentar o Londrina, na última terça-feira. Uma grande chance para ele, que teve desempenho bom, apesar da falta de ritmo por estar há mais de dois meses sem atuar.


Portanto, os jogadores que não andam tendo oportunidades precisam saber que podem vir a tê-las num futuro próximo, a qualquer momento. Por isso, devem continuar treinando forte e com determinação, pois precisam estar preparados para quando a oportunidade surgir.


A Série B é longa, contusões e suspensões acontecem em todos os times. A diretoria do América montou um elenco forte e com boas opções exatamente para administrar melhor os desfalques.


Portanto, os reservas têm que manter o senso de competitividade elevado!


Se fizerem isso, jogadores como Gérson Magrão, Hugo Almeida, Willian, Rafael Jataí, Mike, Fernando Leal, Renato Justi, além dos jovens da base, podem ser titulares a depender do desempenho. Por fim, Felipe Amorim e Marion estão na mesma situação de Pará quando este estava em baixa. Mas ele já provou que o futebol muda muito rápido, depende do jogador, não é mesmo?


O América não está na liderança da Série B e faz grande campanha só por causa de 11 jogadores. Todo o elenco é importante. Que os atuais reservas tenham plena consciência disso, pois o América vai precisar deles em algum momento!