O que explica os altos e baixos do América-MG na Série B?

Numa partida, o técnico Enderson Moreira acerta tudo. Na outra, erra quase tudo.


E assim vamos caminhando nesse chove não molha. A impressão, na altura de apenas seis rodadas, é que o América-MG não vai conseguir aquela famosa arrancada, duas ou três vitórias seguidas, necessárias para subir. Parece campanha de meio de tabela. E nós não investimos tão alto assim para comemorar a décima posição, não é mesmo?


Então, é hora de a diretoria analisar o que está acontecendo e tomar decisões. Os 9 presidentes devem se reunir e perguntar-se: por que o Coelhão está com esses altos e baixos?


- Algumas partidas atrás, o América criava muitas chances, mas perdia muitos gols e acabava levando. É só falta de sorte ou é algo mais? Sabe-se que Enderson tem errado em algumas escolhas de escalação, principalmente a de Felipe Amorim.


- O América tem demonstrado evolução coletiva e individual de janeiro até aqui? Em seu melhor momento na temporada (definam um), o América convenceu?


- Como está o relacionamento entre o elenco e deste com o treinador? Os jogadores acreditam na capacidade de Enderson Moreira? Estão unidos em prol do acesso? Essa gangorra em que se encontra o América parte dos jogadores ou os atletas estão assim por causa da própria inconsistência do técnico?


Se, depois de responderem a essas perguntas, os 9 presidentes chegarem à conclusão de que parece que o América vai ficar nesse lenga-lenga sem evoluir, é razão inconteste para demitir Enderson Moreira. Isso não significa dispensá-lo por causa dos resultados, mas em razão do trabalho em si. Pois só se pode manter um treinador se, ao imaginar o futuro, vê-se um crescimento, algo de positivo.


Sobre o jogo


Divulgação/América Mineiro
Divulgação/América Mineiro

Os jogadores precisam jogar a Série B com inteligência


Os jogadores precisam reconhecer: é um vexame perder para o Vila Nova/GO. E ainda mais levando um gol aos três minutos do primeiro tempo e tendo um jogador a mais na maior parte do jogo. O elenco precisa entender que jogar no América significa ter obrigação de no mínimo brigar para subir à Série A. E não fizemos isso ainda. 


Não se pode encarar essa temporada como apenas mais uma, tem que ser A TEMPORADA! Se fizerem isso, vão chamar a atenção de clubes maiores e engrenar na carreira, assim como aconteceu com Rodriguinho, Vitor Hugo, Danilo do Real Madrid, Thiago Santos etc. O que esses homens querem para suas carreiras e famílias?


É pura verdade também que mais uma vez a arbitragem prejudicou o América num lance capital. Primeiro foi o pênalti não dado em Bill contra o Paysandu, agora foi uma ridícula falta inexistente de Rafael Lima no goleiro ele nem encostou no boneco de papelão, que desabou.


Pasme-se, o árbitro Andrey da Silva e Silva ESTAVA DE FRENTE PARA O LANCE, mas aceitou a marcação do bandeirinha Marcio Gleidson Correia Dias, QUE TINHA A VISÃO ENCOBERTA E ESTAVA MUITO MAIS LONGE. Como um bandeirinha marca um lance desses com tanta convicção? O que ele viu com tanta clareza se o que ele marcou não existiu? Como um árbitro não tem a moral de assinalar o que ele viu?


Diante desses dois lances, a diretoria do América deveria reclamar na CBF. São gols certos tirados do América, em momentos que mudariam a história da partida. Não são erros pequenos como um cartão amarelo ou uma falta perto da área. A diretoria também tem que brigar pelo acesso à Série A e uma das funções é externar os prejuízos do América com a arbitragem.


Os novos erros de Enderson


- Assusta ver Norberto na reserva. Claramente foi poupado, mas qual era o problema? Se é cansaço ou risco de lesão, para que levá-lo numa viagem? Não é melhor deixá-lo em Belo Horizonte descansando para terça-feira? Se foi relacionado tem que estar em campo.


- É inadmissível termos um “jogador” como Felipe Amorim de titular (até no banco), causa-me repulsa o América tê-lo contratado pela segunda vez. A falta cobrada por ele logo após a expulsão do goleiro adversário é o cúmulo da burrice: chute EXATAMENTE ONDE O GOLEIRO ESTAVA! Queria que acontecesse o quê?


- Contra o Ceará, Enderson Moreira viu Givanildo Oliveira escalar quatro atacantes e mandá-los para dentro da área quando tinha um a mais em campo. É claro que deu errado, pois não havia espaço para todo mundo. Contra o Vila, foi o América quem teve um a mais. E Enderson Moreira repetiu a burrice ao colocar Hugo Almeida. O que ele poderia fazer?


- De quem foi a ideia de ficar cruzando a bola na área? QUE BURRICE! O mais correto e inteligente a fazer era tabelar perto da área. Passes curtos e de primeira poderiam quebrar a marcação adversária. Quando Ruy tocou a bola, serviu Magrão para o chute na trave.


- Por que o time não está compactado defensivamente? Os volantes não entram na área quando somos atacados e basta ao adversário uma tabela para passar por um jogador do América e ter muito espaço de finalização. Quem toma o drible não corre para fechar o espaço no lance seguinte, cobrindo o colega que teve de sair de sua posição.


- Não há nenhum absurdo no fato de Luan não ser titular, mas é claro que ele tem que entrar em campo durante o jogo. Poxa, o atacante faz o gol da vitória no jogo anterior e não é utilizado no seguinte?


Gérson Magrão


Outro motivo para a entrada de Luan era a PÉSSIMA PARTIDA de Gérson Magrão. É impressionante como ele parece ter 36 anos, mas só tem 31. Sem força nas pernas, sem velocidade para driblar e passar pelos adversários, sem inteligência para perceber que a finalização no final do jogo (a que foi na trave) não era força, mas jeito. E ele ainda errou uma cabeçada fácil, era só tirar do goleiro, assim como Luan fez contra o Ceará.


QUAL VAI SER, DIRETORIA?


QUAL VAI SER, ENDERSON MOREIRA?


QUAL VAI SER, JOGADORES?