América-MG x Villa não valeu quase nada. Culpa do técnico

Enderson Moreira foi muito mal no planejamento do confronto diante do Villa Nova. E não é por causa do empate em 1 a 1 com um time que só não foi rebaixado porque surpreendentemente havia dois adversários piores.


Nosso treinador começou a errar bem antes de a bola rolar...


O principal equívoco foi na formação tática: se o time titular é escalado com três volantes e isso vem dando certo, é melhor você MANTÊ-LO ASSIM. Enderson resolveu poupar alguns jogadores, mas colocou apenas dois volantes em campo.


Outra modificação maluca foi no ataque, que antes tinha um atacante de lado e um atleta mais de área. Porém, Enderson tirou Rubens para colocar Mike como único atacante, e é claro que o jogador do Inter nada poderia fazer mesmo, pois ficou isolado diante de um meio-campo ineficiente.


Por causa dessas duas operações sem nexo do treinador, não pudemos testar os jogadores dentro do esquema utilizado no time titular, algo tão óbvio como o fato de a bola ser redonda!



Mas não foi só isso...


Pará e Marion NÃO MERECEM MAIS VESTIR A CAMISA DO AMÉRICA FUTEBOL CLUBE, simplesmente porque não têm NENHUMA CONDIÇÃO PARA ISSO!


O lateral-esquerdo já deveria ter sido devolvido ao rival do Zoológico há pelo menos um mês. Enderson Moreira poderia ter dado mais ritmo de jogo a Ernandes, que acabou de voltar de contusão e só fez uma partida desde então – é ele quem vai quebrar o galho até chegar um reforço.


Marion mostrou mais uma vez que não sabe nem o que é uma bola, pois continua fazendo a mesma coisa: isolando ao invés de cruzar. Até quando teve a chance de virar a partida, gol que não me faria mudar de opinião, Marion cortou o goleiro (qualquer um teria feito aquilo) e conseguiu errar... Não deve saber que precisa chutar é dentro das redes, não fora delas.


Nesse caso, o dinheiro da rescisão de seu contrato deveria sair do bolso dos dirigentes, inclusive Ricardo Drubscky, caso tenha aprovado essa contratação esdrúxula – dá nojo de lembrar que deixamos o nosso outro rival encerrar o restante do contrato sem custos (seis meses) com Marion para ele vir para cá. MEU DEUS DO CÉU, DIRETORIA!


A insistência com Renan Oliveira deve ter um só motivo: justificar a indicação do jogador pelo técnico, o que é indefensável – deveria ter sido vetado pela diretoria. Demorou demais a sair e foram até poucas as vaias da torcida. Ouvi uns aplausos das arquibancadas, mas talvez estivesse delirando ou certamente quem juntou as mãos para Renan Oliveira não é americano.


O número de jogadores poupados desfigurou o time, além do fato de que havia o risco de cairmos para o quaro lugar, não era um jogo sem valer nada. Numa partida assim, os únicos que poderiam ter ficado de fora eram João Ricardo, Rafael Lima, Hugo e Christian, pois esses já mostraram a que vieram e mereciam o descanso – Blanco também, mas por ter sido poupado em partidas anteriores, tinha que jogar; Juninho ainda precisa melhorar, mas foi poupado corretamente.


Sem tantos titulares, o coletivo perde um pouco e os reservas têm mais dificuldade de rendimento. E o América ainda não tem um conjunto firme, mais uma prova de que precisa ter a maioria dos titulares em campo.


As boas notícias


Divulgação/América Mineiro
Divulgação/América Mineiro

Zé Ricardo precisa ser mais testado, assim como Jataí


Zé Ricardo, 21 anos, mostrou mais poder de combate que Juninho e ficou mais preso na marcação, algo que o referido volante não faz nem quando tem Blanco e Christian a seu lado. Zé Ricardo dá a entender que pode jogar como primeiro ou segundo volante, o que é uma ótima notícia já pensando na longa Série B.


Pilar só tem 19 anos, mas conseguiu completar a maioria das tabelas, embora não tenha finalizado. O problema do América, como todos já sabem, é nas laterais e na criação, o que nos obriga a ter paciência com os três atacantes de área. Mas Pilar deixou uma impressão melhor que Rubens, isso é inegável.


Dúvida cruel

Melhor teria sido ver o desempenho de ambos com a formação de três volantes e dois atacantes. No fim das contas, o teste contra o Villa Nova não foi bem aproveitado pelo técnico, que não pode continuar cometendo erros tão óbvios e banais.


Todo mundo comete seus equívocos, ninguém é perfeito, mas há errinhos, erros e ERRÕES! Pior ainda é a persistência neles (Renan Oliveira, Pará e Marion, o trio dos horroroes).


Há quem defenda a demissão de Enderson Moreira, há quem deseje que ele continue. O único problema nessa história é que não parece haver técnicos capacitados no mercado. Trocar Enderson nesse momento por mais um meia-boca é complicado. Talvez o problema foi dar-lhe um contrato até o fim do estadual 2017, quando o normal teria sido até o fim de 2016.