Quem é carne fraca e frango com papelão no seu time

Na última sexta-feira, 17 de março, todos nós ficamos estarrecidos com as notícias trazidas pela Operação Carne Fraca. Descobriu-se que dezenas de frigoríficos em todo o país vendiam carne estragada, com data de validade vencida, com gosto ruim disfarçado com ácido ascórbico, uma substância potencialmente cancerígena.


Até os frangos (não os do goleiro do seu time) ficaram longe de escapar dos crimes, sendo recheados com papelão. Diante de toda essa crise (certamente é só a ponta do iceberg, vem muito mais coisa por aí, até com outros alimentos), não poderíamos deixar de imaginar a seguinte situação...


Quais jogadores do seu time têm potencial de serem flagrados numa eventual Operação Carne Fraca nos vários frigoríficos futebolísticos?


Algum dos goleiros também pode ser enquadrado por vender frango com papelão aos adversários?


No caso do América


No Coelhão não há frango, seja com ou sem papelão, até porque os três goleiros são plenamente confiáveis. João Ricardo chama tanto a atenção que até o São Paulo tentou contratá-lo em 2016, após o goleiro Denis abrir sua quitanda no Morumbi (adivinhem o que ele vende lá). Mas o América cobrou muito caro e eles desistiram – devem ter se arrependido.


Fernando Leal é veterano e muito bom goleiro, só ficando na reserva por causa da sequência de João Ricardo. Glauco é revelado na base, tem 22 anos e aparenta seguir os passos de outra grande revelação americana, o goleiro Matheus Magalhães, vendido ao Braga por alguns milhões de euros. Falta aparecer a oportunidade, mas o momento é complicado para isso.


Com relação aos jogadores de linha, é bom a Polícia Federal enviar algumas viaturas e camburões para o Frigorífico Lanna Drummond, viu...


Divulgação/América Mineiro
Divulgação/América Mineiro

O Frigorífico Lanna Drummond é mais uma vítima da crise da carne no Brasil


Renan Oliveira


Em 2014 já tivemos uma boa amostra dessa carne e, na época, a inspeção do Ministério do Jogador Ruim certificou-a como 100% dentro dos padrões de (falta de) qualidade da pasta. Porém, o Frigorífico Lanna Drummond parece apreciar a carne de baixa qualidade por valores elevados e foi comprá-la de novo. E agora, dispensa na lata de lixo ou passa um ácido ascórbico e tenta vender no mercado?


Marion


Essa carne foi produzida no Frigorífico de Vespasiano, empresa de extrema baixa qualidade e com alguns produtos bem supervalorizados – nem é preciso nenhuma Operação para atestar isso. Depois foi repassada para o Frigorífico do Arruda, em Recife, e deveria ter ficado por lá mesmo, mas o Frigorífico Lanna Drummond resolveu pedir um carregamento.


Até que na estreia a carne fraca fez gol em seu primeiro toque na bola e exalou perfume cheiroso, mas agora se sabe que ainda estava sob maquiagem com ácido ascórbico. O efeito passou e percebeu-se a real qualidade do produto.


Felipe Amorim


Não adianta mais maquiar essa carne com nenhum produto químico. Os últimos frigoríficos, o das Laranjeiras e o do Coxa Branca, já fizeram isso e não deu resultado. Claro, depois de cinco anos causando indigestão a vários torcedores, essa carne fraca já não tem mais salvação.


Mesmo tendo recebido o troféu de (falta de) qualidade 100% comprovada pelo Ministério do Jogador Ruim, os frigoríficos continuam apostando no produto. O do CT Lanna Drummond é só mais um a escolher errado, mas o problema maior é que essa é a segunda compra do mesmo produto em dois anos. Será que a carne estragou o cérebro dos responsáveis pelo setor de compras?


Por enquanto, a análise do Frigorífico Lanna Drummond identificou essas três carnes fracas.


E no seu frigorífico, quais são os produtos de baixa qualidade facilmente detectáveis? Escreva aí nos comentários, quem sabe você não ajuda sua empresa a repassá-los para outros desavisados?


Aliás, quem quiser um carregamento desses produtos aí pode entrar em contato conosco, ficaremos muito felizes em nos livr... Quer dizer, atendê-los da melhor forma possível!


Haja carne fraca e frango com papelão nesse nosso Brasil, viu?